Ir para o conteúdo
Abrir o navegador
virtual-simulation-nursinganne-hero.jpg virtual-simulation-nursinganne-hero.jpg

Como a Simulação Virtual pode Ajudar a Preencher a Lacuna para a Simulação de Alta Fidelidade

Treinamento para Cuidados Maternos
Eventos obstétricos adversos ocorrem em aproximadamente 9% de todos os partos nos EUA.1

Os Enfermeiros educadores que treinam novatos em obstetrícia sabem que é fundamental para seu programa preparar os alunos para manter a mãe e o bebê seguros quando surgirem complicações no parto. Por mais simples que pareça, pode ser um desafio garantir que seus alunos estejam saindo do programa totalmente preparados para esses eventos de baixa frequência e alto risco. A fim de garantir que os alunos estejam perfeitamente preparados para a prática, a capacidade de implementar uma estrutura que se baseie em métodos de aprendizagem eficazes é fundamental.

Em 1984, David Kolb desenvolveu sua teoria de aprendizagem experiencial. Afirma que os alunos devem progredir através de quatro estágios de um ciclo de aprendizagem, com cada estágio envolvendo experiências diferentes, a fim de aprender com eficácia2. A teoria de Kolb sugere fortemente que nenhum método de ensino será independente. Para um programa de enfermagem materna que cobre tudo, desde conceitos básicos a procedimentos complicados de parto e dinâmica de equipe, isso pode ser especialmente verdadeiro. Em vez disso, o uso de uma variedade de métodos de ensino complementares permite que os alunos liguem os pontos entre as áreas de aprendizagem, construindo sobre seu conhecimento construtivo à medida que progridem no programa.

Em uma disciplina tão complexa e crítica para a vida como o cuidado materno, o treinamento de simulação de alta fidelidade é frequentemente considerado pelo realismo que traz à experiência de aprendizagem. Além do valor da experiência prática, ele fornece treinamento em trabalho em equipe e habilidades de comunicação que podem ajudar a minimizar os danos a novas mães e bebês. Um estudo com foco em trabalho de parto concluiu que o treinamento de equipe baseado em simulação desempenha um papel crítico na minimização de resultados negativos que são causados ​​em grande parte por deficiências de comunicação e trabalho em equipe3.

Para que os alunos aproveitem ao máximo o treinamento de simulação de alta fidelidade, eles devem estar o mais confiantes possível antes de entrar no laboratório de simulação. Incorporar simulação virtual é uma forma de reforçar o conhecimento em sala de aula e aumentar a preparação do aluno. A simulação virtual oferece aos alunos uma experiência de aprendizagem interativa. Ele permite que os alunos trabalhem com pacientes virtuais realistas, a simulação virtual ajuda os alunos a desenvolver raciocínio chave, priorização e habilidades de tomada de decisão - todas as quais podem ser recursos úteis para transportar com eles para o laboratório de simulação.

A seguir, exploramos como a simulação virtual pode ser usada como uma ponte entre o aprendizado em sala de aula e a simulação de alta fidelidade. E se você já estiver usando a simulação virtual, descobrirá como pode usá-la como uma ferramenta poderosa para preparar os alunos para métodos de aprendizagem mais complexos, como simulação de alta fidelidade.

Conectando os Pontos entre Teoria e Prática

Quando os alunos passam do estudo de cuidados obstétricos na sala de aula diretamente para a prática de procedimentos complicados em uma simulação de alta fidelidade, eles podem ficar sobrecarregados. Eles são solicitados a aplicar o conhecimento recém-adquirido a um cenário prático complexo, sem a oportunidade de praticar suas habilidades primeiro. Ao mesmo tempo, eles devem enfrentar o desafio que a nova tecnologia representa. Isso pode significar que a simulação de alta fidelidade prejudicará a experiência de aprendizado!

Com a simulação virtual, os alunos podem primeiro aplicar o que aprenderam na sala de aula com pacientes virtuais, reforçando esse conhecimento ao mesmo tempo que aprendem as principais habilidades de tomada de decisão por meio de suas interações.5 Isso pode ajudar a evitar que os alunos entrem em pânico no laboratório de simulação quando confrontados com seu primeiro paciente "real".

Um estudo examinou alunos de enfermagem que participaram de simulações virtuais após o curso didático e antes do treinamento com um simulador de alta fidelidade. Esses alunos foram capazes de transferir o conhecimento que obtiveram de seus cursos didáticos de forma mais eficaz durante a simulação de alta fidelidade do que alunos que não usaram simulação virtual.5 Para cenários obstétricos complexos como parto com distocia de ombro, a capacidade de aplicar conceitos aprendidos é uma ferramenta que ajudará os alunos a navegar com sucesso no atendimento ao paciente.