Ir para o conteúdo
Nursing's New Norm

Usando a Simulação para desenvolver competências

Os Hospitais hoje em dia estão à procura de uma gama mais ampla de talentos para seus novos profissionais de enfermagem. No topo da lista estão as habilidades de liderança.

Em vez de apenas concluir tarefas atribuídas por um médico, os enfermeiros de hoje precisam tomar decisões críticas que salvam vidas. Leia o relato de Rosanne Greenan, RN, CEN, do Northern Hospital Westchester:

 

“Os enfermeiros não são mais cuidadores da equipe de saúde, realizando tarefas ordenadas por médicos. Agora somos líderes da equipe, assim como defensores e educadores de pacientes. No ED onde eu trabalho, os enfermeiros são os primeiros a avaliar os pacientes e, muitas vezes, estabelecem as metas para a internação hospitalar. Os médicos nos veem como colegas que fazem observações concretas e oferecem sugestões valiosas.”1

 

Um graduado em enfermagem que não tem habilidades de liderança pode estar em desvantagem no novo ambiente dos dias atuais. O mesmo vale para uma enfermeira experiente cujas habilidades não são atualizadas e reforçadas. Os pré-requisitos para atender às expectativas atuais para enfermeiros não são apenas habilidades difíceis, mas habilidades sociais, como trabalho em equipe e solução de problemas. Isso é muito diferente do que se esperava dos enfermeiros há 25 anos.

Para atender a essas expectativas crescentes, os enfermeiros educadores estão continuamente recorrendo à simulação. Agora sabemos que até 50% do tempo clínico pode ser substituído por simulação, de acordo com o National Council of State Boards of Nursing (NCSBN).2 Mas nem toda simulação é igual. Assim como a enfermagem mudou, o mesmo aconteceu com a simulação.

A simulação clínica costumava ser sinônimo de “treinamento de tarefas”. Agora, a simulação é sobre a criação de um ensaio para a vida real em um ambiente onde o treinamento de tarefas é apenas uma pequena parte.

A enfermagem se estabeleceu em uma nova norma. Neste artigo, discutiremos como a enfermagem mudou nos últimos 25 anos e como aumentar sua fidelidade na simulação pode ajudar a transmitir as habilidades necessárias no atual ambiente de enfermagem.

 

 

1. Cuidados centrados no paciente estão sob um microscópio

Hoje, os hospitais são submetidos a rígidos padrões governamentais em relação à satisfação do paciente e às medidas de segurança. Além disso, os hospitais operam sob uma influência sem precedentes dos principais grupos de defesa da segurança do paciente – e com muita transparência voltada para o público. Os enfermeiros são o mais importante elemento pessoal com influência sobre os resultados.

A entrega segura e eficaz do atendimento ao paciente requer que os estudantes de enfermagem compreendam a complexidade dos sistemas de saúde, os limites dos fatores humanos, os princípios de design de segurança, as características das organizações de alta confiabilidade e os recursos de segurança do paciente. Esses componentes são essenciais para a preparação de profissionais de saúde seguros e essenciais para a prestação de serviços de saúde no século XXI.

Dra. Jane Barnsteiner, Professora de Enfermagem Pediátrica da Universidade da Pensilvânia*

Os empregadores de enfermeiros estão procurando enfermeiros que tenham um senso de como os fatores humanos, os fatores do sistema e as atitudes podem afetar os cuidados centrados no paciente. O que isso significa para o seu programa de simulação é que a fidelidade conta. Oferecer um nível mais alto de realismo pode preparar melhor seus alunos para situações da vida real.

Na Laerdal, acreditamos que a simulação não é sobre o simulador – é sobre a experiência de aprendizagem. No entanto, quando você tenta transmitir habilidades práticas e teóricas em um contexto do mundo real, o simulador continua sendo fundamental.

Conhecer suas circunstâncias, metas e resultados desejados são ótimos blocos de construção nos quais o nível de realismo que você precisa deve ser baseado. Siga esses blocos de construção e evite comprometer áreas que possam prejudicar a experiência que seus participantes precisam aprender.

2. Uma nova importância colocada no diagnóstico e na avaliação

Existe uma expectativa geral – dentro da enfermagem e entre os pacientes – de que os enfermeiros possam fornecer uma análise precisa e detalhada do paciente e fazer recomendações a outros membros da equipe de atendimento. Embora o escopo da prática de um enfermeiro tenha limites claros no contexto de avaliação e diagnóstico, os limites não são o que eram 25 anos atrás. 

Agora, temos competências mensuráveis. As expectativas são enormes e muito mais transparentes. Isso é muita pressão.

Deborah Suda, RN, BSN, MSN, Diretora da Unidade Perinatal, Ronald Reagan UCLA Medical Center**

A cada ano nos EUA, estima-se que 12 milhões de pessoas passam por erros de diagnóstico.3 Esse número equivale a 1 em cada 20 adultos por ano, e normalmente são doenças comuns que passam despercebidas.

Este é outro caso em que a fidelidade conta. Para obter fidelidade diagnóstica, escolha um simulador que possa apresentar sinais vitais realistas, que possa mostrar sinais de consciência e que tenha a anatomia correta e os indicadores principais.

Você também deve considerar recursos como:

  • Locais corretos de ausculta
  • Articulação realista dos membros
  • Capacidade de realizar procedimentos terapêuticos fundamentais

Esses recursos serão essenciais para a avaliação inicial do paciente e fornecerão uma oportunidade para realizar o monitoramento fisiológico. Durante uma simulação de alta fidelidade, os alunos podem compreender verdadeiramente a realidade de suas ações.

Quando associado a cenários validados, um simulador de alta fidelidade permite a tomada de decisões baseada em evidências, seguida de intervenções clínicas com reações humanas “reais”. Isso se torna especialmente importante no treinamento de emergências de baixa frequência e alta acuidade como parte de uma equipe.

O diagnóstico é o alicerce da medicina; sem o diagnóstico correto, os pacientes não recebem o tratamento correto.

Dr. Hardeep Singh, Pesquisador, Baylor College of Medicine***

A simulação neste contexto ajuda a promover um ambiente para que os enfermeiros se concentrem no pensamento crítico, raciocínio clínico e habilidades de julgamento clínico – além de adquirir conhecimento.

 

 

3. “Choque de Transição” é uma preocupação crescente

O “choque de transição”, o salto do ensino de enfermagem para a prática de enfermagem, é creditado como uma das principais razões para altas taxas de rotatividade entre enfermeiros recém-contratados.4 Com as novas taxas de desgaste de enfermeiros chegando a 25% no primeiro ano de trabalho, a preocupação é crescente. 5

A confiança da gestão em novos enfermeiros também é uma preocupação em muitos hospitais. Uma pesquisa mostra que apenas 10% dos executivos de enfermagem acreditam que os novos enfermeiros são competentes para realizar seu trabalho.6 Ao mesmo tempo, o desejo de minimizar o tempo de atividade e maximizar a produtividade de novos enfermeiros é um desejo comum de executivos de enfermagem.

Tudo isso pode levar ao estresse da força de trabalho e pode se manifestar em uma diminuição na segurança do paciente e na satisfação do paciente. Um estudo mostrou que 75% dos novos enfermeiros observados foram vistos cometendo erros de medicação.7

Frequentemente, as instituições procurarão abordar esse tipo de questão por meio de treinamento didático, aconselhamento ou revisão de protocolos e procedimentos. Medidas como essas raramente geram um nível de envolvimento que se mostre eficaz.

A simulação de alta fidelidade pode ter um grande impacto nessas circunstâncias, não apenas como uma forma de treinamento, mas como uma forma de intervenção. A simulação envolve os alunos, aumenta a retenção de alunos e afeta diretamente a gestão do atendimento ao paciente. 9,10,11

Se você representa uma escola de enfermagem ou um hospital, abordar a simulação como uma intervenção pode ajudá-lo a restringir seu foco e transmitir a confiança e a competência que os enfermeiros precisam no ambiente atual de enfermagem.

 

Simular o que os enfermeiros realmente precisam alcançar

As mudanças que a área de enfermagem tem visto nos últimos 25 anos apontam para uma necessidade de mais experiência prática, inclusiva e imersiva para os enfermeiros em treinamento. Com atenção adicional ao trabalho em equipe, habilidades de comunicação e práticas seguras de cuidado, os enfermeiros se beneficiam da exposição precoce e adicional ao treinamento baseado em simulação.

Os resultados da pesquisa sugerem que os estudantes que se envolvem em simulações experimentam um aumento na autoeficácia geral, desenvolvem confiança para avaliar os sinais vitais e proporcionam uma melhor educação ao paciente.12

Eles pensam como o enfermeiro. Eles estão tomando decisões de forma independente com o conhecimento que possuem e, se eles seguirem o caminho errado, tudo bem, porque é um ambiente de aprendizado seguro. Se cometerem um erro, não vão prejudicar um paciente.

Sandy Swoboda, Educadora de Simulação, Johns Hopkins University School of Nursing ****

A enfermagem agora requer um foco extraordinário na segurança do paciente, diagnóstico, avaliação e raciocínio clínico. Em todos os níveis, a enfermagem envolve hoje um novo nível de liderança e um novo senso de propriedade.

A simulação de alta fidelidade pode fornecer o suporte necessário para que os enfermeiros se desenvolvam com competência, com conformidade e sejam posicionados para otimizar o atendimento ao paciente. Se você gostaria de preparar melhor seus enfermeiros para enfrentar os desafios da área da saúde hoje, entre em contato conosco. Estamos aqui para ajudar.

Referências

  1. Nurse.com (2013). Q & a: Now and then in nursing. Retrieved from https://www.nurse.com/blog/2013/01/21/qa-now-and-then-in-nursing/  
  2. National Council of State Boards of Nursing. (2017). Simulation study. Retrieved from https://www.ncsbn.org/685.htm
  3. Baylor College of Medicine. (2017). Reducing misdiagnosis: Time for the next chapter in improving patient safety. Retrieved from https://www.bcm.edu/news/healthcare/reducing-misdiagnosis-patient-safety
  4. Harwood, M. (2011). Transition shock -- hitting the ground running. Nuritinga, (10), 8-18. Retrieved from http://www.anmfvic.asn.au/news-and-publications/news/2014/12/01/beating-transition-shock
  5. Twibell, R. & St. Pierre, J. (2012). Tripping over the welcome mat: Why new nurses don’t stay and what the evidence says we can do about it. American Nurse Today, 7(6).
  6. Ibid
  7. Ciocco, M. (2016). Fast facts for the nurse preceptor: Keys to providing a successful preceptorship in a nutshell. Springer Publishing.
  8. Pfaff, K.A., Baxter, P.E., Jack, S.M., & Ploeg, J. (2014). Exploring new graduate nurse confidence in interprofessional collaboration: A mixed methods study. International Journal of Nursing Studies, 51(8); 1142-1152. doi: 10.1016/j.ijnurstu.2014.01.001           
  9. Frengley, R., Weller, J., Torrie, J., Dzendrowskyj, P., Yee, B., Paul, A., et al. (2011). The effect of a simulation-based training intervention on the performance of established critical care unit teams. Critical Care Medicine, 39(12), 2605-2611. Doi 10.1097/CCM.0b013e3182282a98       
  10. Lateef, F. (2010). Simulation-based learning: Just like the real thing. Journal of Emergencies, Trauma, and Shock, 3(4), 348-352. Doi 10.4103/0974-2700.70743            
  11. Fowler Durham, C.F. & Alden, K.R. (2008). Patient safety and quality: An evidence-based handbook for nurses. Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality. Retrieved from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK2628/         
  12. Bambini, D., Washburn, J. & Perkins, R. (2009). Outcomes of clinical simulation for novice nursing students: Communication, confidence, clinical judgment. Nursing Education Perspectives 30(2), 79-82.     

 

* Barnsteiner, J. (2011). Teaching the culture of safety. OJIN: The Online Journal of Issues in Nursing, 16(3). Doi 10.3912/OJIN. Vol16No03Man05  

 ** Waszak, D. (2017). Nursing then and now. Retrieved from http://www.workingnurse.com/articles/Nursing-Then-and-Now

 *** Baylor College of Medicine. (2017). Reducing misdiagnosis: Time for the next chapter in improving patient safety. Retrieved from https://www.bcm.edu/news/healthcare/reducing-misdiagnosis-patient-safety

**** Fink, J. (2014). Playing a bigger part. Retrieved from http://magazine.nursing.jhu.edu/2014/11/playing-a-bigger-part/